Sábado, 31 de Março De 2012
Sexta-feira, 30 de Março De 2012
Terça-feira, 31 de Janeiro De 2012

IV Jogos Florais Luso-Espanhóis - 1953

1.jpg

2.jpg

3.jpg 

O MEU RISO

 

                                Ah , como eu me rio dos ricos de dinheiro!

                                Dos que têm terras, quase o mundo inteiro ,

                                Dos que têm jóias e temem os ladrões...

                                Dos que não tem amigos e compram servidões...

                                Dos que são temidos e nunca são amados...

                               Ah, como eu me rio desses desgraçados !...

                               Não poderia servi-los, adulá-los

                               Que o meu “eu” sempre havia de troçá-los

                               Ser rico de dinheiro! Oh que pobreza!

                               Antes quero a minha realeza ,

                               Ser rainha de mim mesma, das minhas emoções,

                               Por a mão no peito e sentir as pulsações

                               Do coração que é meu e não serve ninguém

                               Do coração que é rei sem ter um vintém

                               Dum espírito à solta, em sonho, em revoada,

                               Mesmo num corpo feio de rude e tosca fachada !

                               Cuspir no dinheiro com uma gargalhada,

                               Porque o dinheiro é porco - e não compra nada

                               Do que eu amo no mundo e me dá gosto!

                               O dinheiro dá poder ,dá criados,

                               Compra automóveis, paquetes, aviões,

                               Compra servidores, mas não compra corações...

                               E neles,  só neles ,eu queria ser rainha

                               Queria ter amigos , ter uma corte minha  

                               Que não precise de palácios, baixelas ou salões

                               Um reino no espaço entre sonhos, orações,

                               O reino dos amigos, o reino dos leais

                               O reino que para comprar tem uns preços tais

                               Que quem quiser amor tem que dar amor

                               Dos que não têm casa senão a do senhor

                               Que lhes escraviza o corpo sem piedade

                               E jamais pensou em  fraternidade!

                               É que aí, nesse reino, ainda há liberdade...

                               Jamais à alma chegará a vontade

                               Do rico que dá pão, para mais rico ser    

                                     Do que despreza, pisa e faz sofrer 

                               O rico de alma pobre de dinheiros,

                                     Que mata o corpo enchendo-lhes os celeiros!

                                Desses ricos  pobres que vivem esquecidos

                                Da maneira sublime que todos são nascidos

                                      Desses, eu rio! e é a rir, que os choro

                                É que ao morrer - esqueceram - eu não ignoro:

                                Quem, só com dinheiro, para dinheiro viveu...

                                Para Deus - esse - é bem mais pobre que eu !

                                                              

                                                  Maria José Rijo

 

Quarta-feira, 04 de Janeiro De 2012
Segunda-feira, 02 de Janeiro De 2012

Boletim de passagem - 1934

sinto-me: 1ª Classe
publicado por Maria José Rijo às 09:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

arquivos

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

Quem anda aqui?

-- --